“SE A COISA TÁ PRETA, A COISA TÁ BOA”

A RESISTÊNCIA DO SUJEITO NEGRO FRENTE A EXPRESSÕES RACISTAS

  • Luciana Vinhas Universidade Federal de Pelotas
Palavras-chave: Racismo, Análise de Discurso, Resistência

Resumo

Este artigo tem como objetivo discutir a resistência a partir das expressões “cor do pecado” e “a coisa tá preta”, cujos sentidos homogeneizados atualizam o discurso racista. O corpus é formado pelas músicas Da cor do pecado (1959), de composição de Bororó, Meu caro amigo (1976), de Chico Buarque, A coisa tá preta (2016), de Rincón Sapiência, e, também, a ilustração da artista Denise Silva. Para atingir os objetivos do trabalho, o corpus será tratado a partir da Análise de discurso francesa e serão articulados os conceitos de memória discursiva, resistência e desidentificação.

Referências

A coisa tá preta. Cantor e intérprete Rincon Sapiência. Disponível em: https://www.letras.mus.br/chico-buarque/7584/. Acesso em 10 abr. de 2020
ALMEIDA, Silvio. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte: Letramento, 2018.
ALTHUSSER, Louis. Ideologia e Aparelhos ideológicos do estado. Lisboa: Editora presença, 2000.
AMARAL, Sharyse Piroupo do. História do negro no Brasil. Brasília: Ministério da Educação. Secretária de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade; Salvador: Centro de Estudos Afro Orientais, 2011.
BENTO, Maria Aparecida; BEGHIN, Nathalie. Juventude negra e exclusão radical. Políticas sociais acompanhamento e análise [s. l.], n. 11, p. 194-198, ago. 2005. Disponível em:http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=5773&Itemid=9. Acesso em: 15 mar. 2020.
CATTELAN. João C. Michel Pêcheux: entre o óbvio e o nome complexo. Revista Alfa, São Paulo, n.2, v. 57, p. 389-412, 2013.
Em crescimento, bancada evangélica terá 91 parlamentares no Congresso. Agência Brasil. Brasília, 18 out. 2018 Política. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/politica/noticia/2018-10/em-crescimento-bancada-evangelica-tera-91-parlamentares-no-congresso. Acesso em: 17 mar. 2020.
FERRARI, Ana Josefina. A voz do dono: uma análise das descrições feitas nos anúncios de jornal dos escravos fugidos no oeste paulista entre 1870-1876. Campinas: Pontes, 2006.
FREYRE, Gilberto. Casa grande e senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 48ª edição. Recife: Editora Global, 2003.
Da cor do pecado. Composição de Bororó. Interpretado por Fagner. Disponível em https://www.letras.mus.br/fagner/133038/. Acesso em 10. Abr. 2020
DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Editora Boitempo, 2016.
INDURSKY, Freda. A memória na cena do discurso. In: Indursky, Freda; Mittman, Solange; Ferreira, M. C. (orgs.). Memória e história na/ da análise do discurso. Campinas, Mercado de Letras, 2011.
LEANDRO FERREIRA, Maria Cristina. Resistir, resistir, resistir....: primado prático discursivo! In.: SOARES, Alexandre Sebastião Ferrari et al. (Org.). Discurso, resistência e.... Cascavel: Edunioeste, 2015. p. 159-167.
MBEMBE, Achille. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. 3.ed. São Paulo: N-1 Edições, 2018.
Meu caro amigo. Compositor e intérprete Chico Buarque. Disponível em: https://www.letras.mus.br/chico-buarque/7584/. Acesso em 10 abr. 2020.
MUNANGA, Kabengele. A difícil tarefa de definir quem é negro no Brasil. [Estudos Avançados]. Estudos Avançados, São Paulo, vol. 18, 50, p. 51-56, abr, 2004.
NASCIMENTO, Abdias. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1978.
ORLANDI, Eni. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas, SP. Pontes, 2000.
PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 4. ed. Campinas: Ed. da Unicamp, 2009.
______. Papel da memória. In: ACHARD, P. et al. (Org.) Papel da memória. Tradução e introdução José Horta Nunes. 2ª ed. Campinas: Pontes, 2007.
______. Ousar pensar e ousar se revoltar: ideologia, marxismo, luta de classes. Décalages, vol. 1. Pg. 01- 22, 2014.
SEMER, Marcelo. Entre salas e celas: dor e esperança nas crônicas de um juiz criminal. 3.ed. São Paulo: Autonomia Literária, 2019.
SILVA, Denise. Denisenhando: ilustrações poderosas com mensagens feministas. Disponível em https://br.pinterest.com/pin/509962357806696554/. Acesso em 09 ab2. 2020.
Publicado
2021-08-17
Como Citar
Vinhas, L. (2021). “SE A COISA TÁ PRETA, A COISA TÁ BOA”. Revista DisSoL - Discurso, Sociedade E Linguagem, (13), 141-156. Recuperado de http://ojs.univas.edu.br/index.php/revistadissol/article/view/846