Metodologias ativas como mediação pedagógica no ensino superior

  • Marcelo da Silva Reis Universidade do Vale do Rio Verde
  • Neide Pena Universidade do Vale do Sapucaí (Univás)
Palavras-chave: Aprendizagem, Metodologias ativas, Ensino superior, Qualidade de ensino

Resumo

O debate em torno das metodologias ativas na educação superior é um tema que tem conquistado espaço no meio acadêmico nos últimos anos. Nesse debate, o uso de metodologias ativas no ensino superior equivale a um recurso pedagógico promissor no que se refere à melhoria da aprendizagem e, consequentemente, da educação. Este artigo se origina de um estudo de campo com a utilização de metodologias ativas em um curso de Administração, noturno, por mais de três anos, do tipo Survey, com os alunos participantes de uma prática inovadora que visou estimular a participação dos alunos nas aulas e desenvolver a autonomia no processo de autoaprendizado. Constatou-se que as metodologias ativas representaram ferramentas fundamentais na mediação pedagógica, em que aluno e professor tornaram-se protagonistas e sujeitos ativos, que interagiram e trocaram constantemente informações, fazendo da situação da aula uma oportunidade de desenvolver aprendizagens significativas.

Biografia do Autor

Marcelo da Silva Reis, Universidade do Vale do Rio Verde
Mestrado em Educação Graduação em Administração  Docente do Mestrado em Educação (Univás) Pós-Graduação Lato Sensu em Gestão EStratégia e Inteligência Competitiva Docente do Curso de Administração da Universidade do Vale do Rio Verde de Três Corações/MG      
Neide Pena, Universidade do Vale do Sapucaí (Univás)
Doutora em Educação: Currículo Docente do Mestrado em Educação (Univás) Cordenadora do Curso de Especialização em Gestão Educacional (Univás) Líder do Grupo de  Pesquisa em Educação e Gestão (GPEG)

Referências

ALMEIDA, G. P. de. Dificuldades de aprendizagem em leitura e escrita: método fônico para tratamento. 3. Ed.. Rio de Janeiro: Wak Ed., 2011.

ALMEIDA, M. E. B. Tecnologias na educação, formação de educadores e recursividade entre teoria e prática: trajetória do Programa de Pós-Graduação em Educação: Currículo. Revista E-Curriculum, v. 1, n. 1, 2005. Disponível em https://revistas.pucsp.br/index.php/curriculum/article/viewFile/3165/2095. Acesso em: 20/03/2018.

AUSUBEL, D. P. Alguns aspectos psicológicos de la estructura del conocimiento. Buenos Aires: El Ateneo, 1973.

BERGMANN, J. Sala de aula invertida: uma metodologia ativa de aprendizagem: tradução Afonso Celso da Cunha Serra- 1. Ed. Rio de Janeiro, LTC (2017).

BRASIL. Lei nº 10.861/04, de 14 de abril de 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior – SINAES e dá outras providências. Brasília, 05 abr. 2004.

BRASIL. Ministério da Educação. Plano de Ações Articuladas. Brasília, DF: MEC, 2007.

CUNHA, M. I.; SOARES, S. R. Formação do professor: a docência universitária em busca de legitimidade. Salvador: EDUFBA, 2010.

CUNHA, M. I. da. Verbetes: formação inicial e formação continuada. Enciclopédia de pedagogia universitária. Brasília: MEC/INEP, 2006, p. 354.

BARBOSA, E. F.; MOURA, D. G. de. Metodologias ativas de aprendizagem na educação profissional e tecnológica. Boletim Técnico do Senac, v. 39, n. 2, p. 48-67, 2013.

BERBEL, N. A. N. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 32, n. 1, p. 25-40, jan./jun. 2011.

BERGMANN, J.; SAMS, A. Sala de aula invertida – uma metodologia ativa de aprendizagem. 1. Ed. Rio de Janeiro: 2016.

FRANCO, M. A. do R. S. Prática pedagógica e docência: um olhar a partir da epistemologia do conceito. Revista Brasileira Estudos Pedagógicos (on-line), Brasília, v. 97, n. 247, p. 534-551, set./dez. 2016.

HARVEY, D. Condição pós-moderna. Trad. Adail Ubirajara Sobral e Maria Stela Gonçalves. São Paulo : Loyla, 1992.

LOJKINE, J. A revolução informacional. São Paulo: Cortez, 1995.

MANFREDI, S. M. Formação sindical no Brasil: história de uma prática cultural. São Paulo: scrituras Editora, 1996.

MASETTO, Marcos Tarciso. Competência pedagógica do professor universitário. 2. Ed. rev. São Paulo: Summus, 2012.

______. Competência pedagógica do professor universitário. São Paulo: Summus, 2003.

MAZUR, E. Peer Instruction: A User's Manual. Boston: Addison-Wesley, 1996.

______. Peer Instruction: A Revolução da Aprendizagem Ativa. Tradução: Anatólio Laschuk. Porto Alegre: Penso, 2015.

MORAN, J. M. A educação que desejamos novos desafios e como chegar lá. Campinas: Papirus, 2007.

______ . Mudando a educação com metodologias ativas. Coleção Mídias Contemporâneas. Convergência Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens. Vol. II. P. 15-33. 2015.

PALHARINI, C. Peer Instruction – Uma Metodologia Ativa para o Processo de Ensino e Aprendizagem. 2012. Disponível em:

<http://cristianopalharini.wordpress. com/2012/05/26/peer-instruction-umametodologia-ativa-para-o-processo-de-ensino-e-prendizagem/>. Acesso em: 10 set. 2018.

PIMENTA, S. G.; ANASTASIOU, L. G. Docência no ensino superior. 4. Ed. São Paulo: Cortez, 2010.

PAVANELLO, E.; LIMA, Renan. Sala de Aula Invertida: a análise de uma experiência na disciplina de Cálculo I. Rev. Bolema, Rio Claro (SP), v. 31, n. 58, p. 739-759, ago. 2017.

http://www.scielo.br/pdf/bolema/v31n58/0103-636X-bolema-31-58-0739.pdf

PIMENTA, S. G.; ANASTASIOU, L. G. Docência no Ensino Superior. 2. Ed. São Paulo: Cortez, 2005.

VALENTE, J. A. Blended learning e as mudanças no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida. Educar em Revista, v. Edição Esp, n. 4, p. 79–97, 2014.

VALENTE, J. A. Aprendizagem Ativa no Ensino Superior: a proposta da sala de aula invertida José Armando Valente. Depto. de Multimeios, Nied e GGTE - Unicamp & Ced – Puc/SP - s/d. Disponível em:

https://www.pucsp.br/sites/default/files/img/aci/27-_agurdar_proec_textopara280814.pdf

Publicado
2020-07-29
Como Citar
da Silva Reis, M., & Pena, N. (2020). Metodologias ativas como mediação pedagógica no ensino superior. Argumentos Pró-Educação, 5. https://doi.org/10.24280/10.24280/ape.v5.e557
Edição
Seção
Artigos